segunda-feira, 26 de janeiro de 2009

Em dia de escrita, imagens para mostrar

Hoje apetece-me escrever... O pior é que tirando coisas sem grande interesse, não me ocorre nada. Já sabem, os que por aqui vão passando, que não gosto de falar de mim, da rotina, do tempo que vai fazendo... Gosto de conteúdo, de coisas palpáveis que possam ser úteis ou interessantes para outros. As banalidades triviais dificilmente o serão.

Não digo que não acabo por falar dos meus gostos: é inevitável. Fotografia principalmente, uma das grandes paixões e um motivo de interesses a partilhar quase infindáveis. Não preciso de ser um grande fotografo de renome, dono de uma vasta obra de qualidade indubitável; um mero amador terá muito que partilhar ou ensinar, por sua experiência, gosto ou...

Assim, vou ter que vos brindar com um semi DIY...

Há uns tempos, deixei cair a minha máquina de cortar cabelo. Como a sorte protege os audazes, caiu mesmo com a parte das lâminas no chão, tendo como resultado um enorme desalinhamento nas cabeças de corte e, consequência segunda, uma perca total da capacidade em fazer aquilo para que foi projectada e pela qual eu a comprei: cortar cabelo.

Ainda escarafunchei, desmontei, endireitei, mas não a consegui colocar novamente com o funcionamento inicial e desejado. Cortava é certo, mas também arrancava, o que além de ser doloroso, poderia contribuir negativamente para a saúde do couro cabeludo de quem a utilizasse.

A palavra é dura, mas a desistência tem que fazer sempre dos nossos planos, não numa derrota, mas num adiamento ou consciência das limitações que temos.

Ficaram algumas fotos e umas breves e grosseiras explicações (pode ser que vos ajudem)...


Depois da máquina aberta (basta desapertar os parafusos), este é o aspecto que tem. Não desmontei nada, saiu tudo com a abertura.


O mecanismo de funcionamento é o mais simples que pode existir: uma haste de metal (com a lâmina móvel numa das extremidades), duas molas e um electro-íman. O electro-íman funciona intermitentemente, atraindo a haste de metal para um dos lados e comprimindo uma das molas que, na interrupção da atracção exercida, obriga a haste a voltar à posição inicial. Cria-se assim o movimento das lâminas...


A extremidade onde encaixa a lâmina móvel. Aqui cheia de cola, porque se partiu, na queda da máquina.


Uma das duas molas...


A mola (em cima) é depois comprimida para um "parafuso" plástico que regula a intensidade ou curso da lâmina móvel.


No fim, foi o que ficou...

Não a consegui reparar, mas fiquei a saber, mais ou menos, como é que isto funciona. Coisa mais simples é quase impossível!

P.S. - sim, tive que comprar outra máquina :)

4 comentários:

Ranger Bob disse...

Queres dizer "íman" e não "hímen". O último refere-se à anatomia feminina. :-)

PE disse...

Esta ainda tinha hímen! LOL
Grande biqueirada na gramática... Obrigado pelo reparo ó Bob!!!

Lisa disse...

eu a pensar que so tinhas posto o texto para te gabares de teres arranjado a maquina... parece que nao... o sr perfeito nao consegue tudo!! lol

PE disse...

Perfeito é coçar o esquerdo e depois o direito!